A- A A+

Os micro, pequenos e médios empresários de setores como aeroportos, portos, comércios e serviços, segmentos ligados ao turismo, terão seis meses de carência no pagamento de empréstimos feitos junto ao Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). A medida foi anunciada neste domingo (22) pelo presidente da instituição, Gustavo Montezano, e é mais uma ação do governo federal para minimizar os impactos do coronavírus nos principais setores da economia do país. Ao todo, 150 mil empresas serão beneficiadas com a medida, atingindo cerca de 2 milhões de trabalhadores.

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, comemorou a notícia e destacou que continuará trabalhando para superar a crise no setor. “Estamos todos alinhados no compromisso de possibilitar aos micro, pequenos e médios empresários sobrevida nesse momento crítico para nós. Tenho certeza que essa ajuda do BNDES dará mais um fôlego para estes segmentos que tanto empregam e movimentam o Brasil”, celebrou.

Entre outras medidas, Montezano anunciou ainda a oferta de R$ 5 bilhões em crédito para micro, pequenas e médias empresas. O banco também aumentou o limite de crédito, que sairá de R$ 10 milhões para R$ 70 milhões por ano, facilitando o capital de giro desses empreendimentos. Além disso, também estão incluídos no pacote a transferência de R$ 20 bilhões do PIS/Pasep para o FGTS dos trabalhadores e o apoio a micro, pequenas e médias empresas.

Durante transmissão ao vivo, pela internet, Gustavo Montezano, falou que a intenção é movimentar a economia. “São quatro medidas que injetam R$ 55 bilhões no sistema financeiro brasileiro", concluiu.

MAIS CRÉDITO - Nesta semana, o Ministério do Turismo assinou portaria que disponibilizou R$ 381 milhões para empréstimos a pequenos e médios empresários. O documento também flexibiliza as regras de financiamentos do Fundo Geral de Turismo (Fungetur), reduzindo os juros para capital de giro de 7% para 5% ao ano e a carência do início de pagamento das parcelas de 6 meses para 1 ano.

Outra ação articulada pelo ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, foi a inclusão das empresas do segmento turístico nas linhas de crédito do Banco do Brasil. Segundo a instituição financeira, ainda não há uma estimativa do montante que será disponibilizado aos empresários. De acordo com o presidente do BB, serão priorizadas as demandas dos clientes de pequeno e médio porte, mas não haverá empecilhos para que outras empresas, que não sejam do portifólio do banco, possam pleitear esses recursos.

Informações do Ministério do Turismo 
www.turismo.sc.gov.br

 

JSN Boot template designed by JoomlaShine.com

Desenvolvimento: logo ciasc rodape | Gestão do Conteúdo: SANTUR | Tecnologia: Open Source | Acesso restrito